Arquivo de maio, 2010

.agonia.

Publicado: 30 de maio de 2010 em Uncategorized

.nervosismo, inquietação, loucura. AGONIA. insanidade, perturbação, desespero, exitação. AGONIA. afobamento, exaltação, impaciência, irritação. AGONIA.

.palpitação, breves pensamentos entrecortados. delírio. solução? sem solução. decisão. morte? suicídio? calma. euforia. calma. medo. calma. relaxamento. despressurização. cheiro. abraço. paz.

.pesadelo. desejo, desejo, desejo. compulsão. tristeza, melancolia. AGONIA. AGONIZANTE. AGONIA. choro. duas pílulas. AGONIA…Agonia…agonia…agoni…agon…ago…ag…a…

.sono.

Anúncios

.teoria feminista do poder.

Publicado: 28 de maio de 2010 em Uncategorized

.exercer o poder é para poucos. no entanto, posso dizer que, ser mulher, nos traz grandes vantagens nesse aspecto. digamos que é o chamado poder de sedução.  a mais cruel das habilidades femininas.

.dizem que homem é racional e objetivo. objetivo pode até ser, mas racional, somente até quando aparecer uma mulher de verdade na vida dele. já mulher pode até ser sentimental e subjetiva, no entanto, sabe ser ardilosa e fingida. mulher sabe passar mensagens subliminares. sabe usar de seus dotes físicos, da sua voz e das suas palavras. até do cheiro.

.mulher manda e finge que obedece. dá corda pra homem se enforcar. mata na unha. mulher é dissimulada.  é porque, deus nos fez assim, cabeçinha de demônio do corpo de boneca delicada. mulher boa é mulher malvada. mulher boa não presta. não. não presta.

.dissimulação é uma arte. como toda arte, exige treino. mas, como falei antes, mulher já sai com vantagem. sabe por que a gente pega homem na mentira? porque a gente sabe mentir como ninguém, e homem não. vacila.

.sabe a coisa mais divertida nessa brincadeira? quando a mulher leva uma indireta, é fingir que não entendeu e insistir na explicação. o interlocutor se embanana todo, fica com vergonha e você ainda sai por cima. o negócio é saber a hora de fazer a cara de paisagem e se fingir de desentendida e a hora de se fazer entender e falar a coisa certa.

.mentira esse negócio de dizer que homem não gosta de mulher inteligente. eles podem até ter medo, mas inteligência é uma espécie de afrodisíaco. o negócio é fingir que sua inteligência não supera a dele, porque homem com complexo de inferioridade, não dá.

.ironia. a mãe das ardilosidades. que eu adoro, por sinal. outra coisa: o jogo do “fazer o contrário”. mulher diz que não quer quando quer e diz que quer quando não quer. e o homem que descubra quando ela está blefando. se ele perceber, é ponto. mas esqueçam. se ele descobrir não é homem e provavelmente joga em outro time.

.mulher não gosta de homem bom. e se o fulano demorar muito pra agir, é só dá um chá de sumiço, ser má e fazer ele sentir o cheiro do outro. batata! perdeu, playboy! mulheres, seres  estranhos, difíceis de lidar(principalmente na TPM) e complexos. o pior é que se tem manual de instrução, deve estar em javanês. o poder é delas. dominam o mundo e deixam os homens pensarem que eles fazem isso. é aí que mora o perigo.

– pára aê seu motoriessstaaa!

.dessa vez a aventura foi de 55. nossa velha companheira de passeios com emoção por fortaleza. a topic mais conhecida da cidade. e jogue a primeira pedra quem nunca pegou uma 55 lotada!

.os quatro aventureiros do dia: eu, evelyn, herbênya e hugo renan. são tantas emoções, que nem sei por onde começar. na verdade, eu até sei, né ismar querido? o começo, é pelo que nos motivou nessa aventura: a única desculpa para nos embrenharmos na fingida missão de visitar uma rádio comunitária  foi pela causa própria. fazer o bem a si mesmo, ganhando alguns pontos para recuperar o desastre da nota em jornalismo no 3º setor. e lá fomos nós.

.e digo logo, que evelyn renegou seu passado e não queria andar de 55 de jeito nenhum, mas, como ela era voto vencido, fomos do mesmo jeito. e a gente, que de caridoso não tem nada, foi falando mal de deus e o mundo a viagem toda. eita que o inferno vai bombar!

.a comunidade do dendê era lá onde o vento faz a curva. isso mesmo. nem mesmo nós sabíamos onde se escondia. a única informação era que ficava perto da unifor, em uma rua e número que eu não me recordo no momento, e, tenho a nítida impressão, de que minha memória seletiva dificilmente recordará.

. saímos  da topic, após uma viagem emocionante, com  a descoberta do meu dom de fazer parar o motorista e com herbênya promovida a ajudante de trocador. detalhe: hugo com abuso do chiclete fulero que pregou nos dentes e a herbênya levando fiu-fiu pelo simples motivo de sua bunda (ela insisitu até o fim que era só o cinto) estar na janela.

.enfim, chegando a bela universidade de fortaleza, lamentamos  bastante por não termos decido com o amigo do hugo. aquele sim foi esperto (risos irônicos). não sabíamos para onde ir, porém, a nossa guia oficial, maria herbênya, nos guiou por caminhos obscuros com a ajuda do gps do guarda da unifor (juro que é verdade!) até a comunidade do dendê.

.e onde era a rua?? duas ruas à esquerda, depois uma à direita. é. disso eu me recordo. eu já esbaforida,  rogando praga no ismar até a morte, evelyn calada, hugo dizendo #owabuso mais de 50 vezes, gisa ligando, todos com medo de ser assaltados e a herbênya só rindo da comédia.

.eis que, quando só faltava um quarteirão para chegar a dita rádio comunitária, havistamos um automóvel conhecido. adivinhem….ISMAR! o calor era tanto, a raiva maior ainda, que, mesmo faltando pouco, a gente pegou carona até lá.

.” a gente já pode ir?” foi a primeira coisa que hugo perguntou ao chegarmos. no cubículo, um calor insuportável. anotamos tudo (eu) o que o responsável pela rádio falou. enquanto isso, hugo, matando cachorro a grito de tanta fome, comia todos os biscoitos (moles) da herbênya.

.sei que eu fui a primeira a descer, tamanha era a vontade de ir embora! “ismar, eu quero pelo menos 10 pontos na minha prova!” eu, herbênya e hugo fomos de carona com uma graaaaande amiga nossa. gente boua, né não? essa santa alma solidária deixou a gente na parada, enquanto a evelyn, sabida, foi na garupa de uma moto aculá.

.herbênya pegou a 06 (que não tinha a mesma graça que a 55) e eu e o hugo renan pegamos o pici unifor. ônibus de rico, que (pasmem e morram de inveja, pois nós também ficamos boquiabertos) às 6  horas da noite estava vaguinho, vaguinho. e eu e o hugo passamos a viagem toda rindo da feiura alheia e, principalmente fofocando e praguejando contra o povo do nosso abuso. tem coisa mais divertida?

.e nós todos concordamos em uma coisa: a caridade é tão bunita!  admiramos aqueles que fazem caridade. essa coisa de comunitarismo e coisas afins é lindo! só que feito pelos outros e, quanto mais longe, melhor. #alergiaàpobre. ainda bem que eu tenho auto-imunidade. ufa!

.vinho + depeito faz bem pra memória.

Publicado: 26 de maio de 2010 em Uncategorized

“Quando você me quiser rever
Já vai me encontrar refeita, pode crer
Olhos nos olhos
Quero ver o que você faz
Ao sentir que sem você eu passo bem demais…”

.andava pelas ruas de paris enquanto cantarolava o trecho da música. de quem era? não lembrava. também não lembrava do resto da letra. o trecho só se repetia em sua mente. tantas vezes, que ela lembraria involuntariamente onde estivesse.

.de volta à  cama, não mais em paris, mas sim, no fim de mundo chamado fortaleza, ela desperta de seu sonho europeu, ainda com a lembrança da música. novamente, só recordava o mesmo trecho.  “eu passo bem demais”…

.tomou banho e fez o desjejum ao som da canção desconhecida. assim passou todo o dia. ela já não aguentava  mais ouvir sozinha aquela musica, sem nem mesmo saber o nome, o compositor, ou mesmo o resto da letra.

.na ida para o almoço, ela falava consigo mesma. repassava um a um, por ordem alfabética, todos os contores de que gostava, no entanto, não conseguia recordar de onde tirara aquela maldita música.

.seus pensamentos continuavam obcessivos na canção. tanto que ela fazia as demais ações mecanicamente. se houvesse ocorrido um assassinato ao seu lado, teria apenas desviado do corpo com um passo mais a esquerda, para não sujar de sangue o escarpam novinho. assim, ela entrou no restaurante e sentou-se na mesa de sempre.

-o que a senhora deseja?

-o de sempre.

.e ela, sentada na mesa de sempre, começou a comer a comida de sempre, envolta pelas pessoas de sempre, no ambiente de sempre. no entanto, ela encontra-o, o que não ocorria sempre. pelo menos desde que ele lhe dera um pé na bunda. traira-a com a impiedade dos homens.

.é aí que surge o insight. ele estava só. pela primeira vez na vida, ela o via só. ela se levantou num ímpeto eufórico:

– é chico! é chico!

.todos, inclusive ele, dada a excentricidade do ato, desviaram seus olhares para ela, que começou a cantar em voz alta a letra da música. lembrara-se dela inteira e não conseguia conter sua alegria.

“Quando você me deixou, meu bem
Me disse pra ser feliz e passar bem
Quis morrer de ciúme, quase enlouqueci
Mas depois, como era de costume, obedeci

Quando você me quiser rever
Já vai me encontrar refeita, pode crer
Olhos nos olhos
Quero ver o que você faz
Ao sentir que sem você eu passo bem demais

E que venho até remoçando
Me pego cantando, sem mais, nem por quê
Tantas águas rolaram
Quantos homens me amaram
Bem mais e melhor que você

Quando talvez precisar de mim
Cê sabe que a casa é sempre sua, venha sim
Olhos nos olhos
Quero ver o que você diz
Quero ver como suporta me ver tão feliz”

. é. algumas doses de vinho e de despeito feminino  fazem muito bem para a memória e também para a auto-estima.

.são seus olhos.

Publicado: 25 de maio de 2010 em Uncategorized

.os bonitos que me perdoem, mas feíura é um dom divino. isso mesmo. e não falo por despeito. se fosse, não teria a mínima vergonha em falar. a verdade é que eu sempre preferi os feinhos por motivos vários. na verdade. homem feio não é feio. são seus olhos.

. tudo bem que os bonitos nos dão certo status social. vem aquele “nossa! não acredito que tu tá pegando aquele gatooo!” mas, do mesmo jeito que homem bonito dá status, ele dá um trabaaaalho! primeiro porque homem bonito sempre se acha a última coca-cola de sobral. segundo porque tem milhares de mulheres atrás dele e querendo te passar uma rasteira. e, não tenha dúvidas de que ele vai querer provar de todas elas.

.outra coisa: é mais fácil nevar em fortaleza que encontrar um homem bonito, inteligente e divertido. essas qualidades juntas, se você achar, agarra e não solta nem sob ameaça de voadora, porque você encontrou o tesouro escondido.

.pois bem, se houver um desses eu investisto de boa.  jamais dispensaria um homem bonito e gostoso, no entanto, continuo sendo adepta dos homens feios; dos relacionamentos sem fins estéticos. e não é nem questão de segurança. também não é qualquer homem feio que me agrada. não pego tribufu, mundiça ou coisas afins. tem que ter seu charme, elegância. tem que ser educado, inteligente e divertido, o que é bem mais comum nessa classe.

.outra coisa que é fato comprovado por mulheres de todo esse meu brasil: homem bonito não precisa se esforçar para conquistar as mulheres. já os feinhos, como são desprovidos de beleza exterior, se esforçam muito mais e conseguem compensar esse “defeitinho”. homem feinho faz de um tudo para ser romântico, divertido e cativante. homem feinho manda flores, escreve cartas de amor, letras de musica e poemas, e dizem as boas línguas, que também compensam de outras formas, se é que vossas senhorias me entendem.

.se vocês ainda não se convenceram, basta lembrar de poetas como vinícius de moraes. acho que é consenso de que ele não é dos mais belos, no entanto, ninguém pode negar seu dom de conquistador. namorou as mulheres mais bonitas do Brasil. e conseguiu isso, é claro, por meio de seus atributos intelectuais e de outros que não posso falar porque nunca provei.

. já perceberam comovárias das grandes e belíssimas artistas de hollywood são casadas ou namoram om homens feios! os bonitos a gente usa e abusa. a gente passa o tempo. feinho é pra casar. enfim… viva os feinhos por que é deles que a gente gosta!

.chuva quase perfeita.

Publicado: 21 de maio de 2010 em Uncategorized

.fiquei enxarcada, no entanto, feliz que nem pinto no lixo. como é bom voltar aos tempos de infância e tomar um belo de um banho de chuva. fechei os olhos, deu uma vontade de ficar que nem estátua, parada e de braços abertos. nessas horas a gente percebe a existência divina. acho que fiz as pazes com deus.

.tão engraçado essa história de água caindo do céu. confesso que gosto da sensação dela batendo sobre a minha cabeça, lavando minha alma. é como se fosse uma espécie de batismo, para mais um recomeço. traz uma certa esperança pra vida. fora, que nos faz voltar a ser criança, revigora e ainda manda embora esse calor insuportável.

.durante esses breves instantes em que permaneci sob a chuva, pensei em tantas coisas boas. entretanto, revelo que imaginei como seria engraçado (e foi), ouvir a síndica do prédio reclamar que a escada estava toda molhada e cheia de pegadas. e eu lá m’importo! nem me importei se meu tênis e meu relógio ficaram  inutilizáveis. nada paga a sensação de se sentir viva. mas, sabe, nesse instante só faltou uma coisa para ser tudo perfeito: um beijo na chuva. tem coisa mais gostosa que beijo na chuva?

.mais mulher que eu.

Publicado: 20 de maio de 2010 em Uncategorized

.os pés se movimentavam no balanço da música. usava fones de ouvido e parecia bastante empolgado. com certeza escutava leide gaga. estava de óculos escuro ráiban, daqueles de roquiestars véri séxies que papai quer que fique bem longe de sua filhas.

.pois bem. algo naquele sujeito me incomodava. não sei se era o cabelinho de executivo muito bem escovado  e  endurecido com gel de última, ou se era a blusinha pólo lilásssss clarinho coladíssima ao corpo sarado de nadador. provavelmente deveria se depilar também.  ou seria a calça jins de cantor sertanejo?

.não sei. só sei que o problema ganhou proporções maiores quando percebi um besouro caminhando sobre o ombro dele. ah, só deus sabe o quanto contive meus ímpetos de violência. como me controlei para não lhe dar um belo de um peteleco. ainda bem que ele percebeu antes, e retirou com um nojinho suspeito o inseto de sua blusa. o coitado teve o triste fim de  parar todo arregaçado contra a janela.

.retirou da mochila uma agenda cor-de-rosa. dentro dela, pude ver envelopes coloridos grudados com adesivos brilhantes de princesas da disnei. nas folhas, as letras caprichosamente desenhadas com canetas de tinta colorida. e ele começou a retirar os adesivos da página frontal e colar por toda a agenda. “meu querido diário….” meu deus, a minha agenda (quando eu lembrava de fazer) era só garrancho. caneta preta e figuras (quando haviam), eram desenhadas pela minha pessoa. e não confie em meus dotes artísticos infantis.

.a mulher sentada ao lado dele se retirou, e ele, com as perninhas muito juntas, se virou de ladinho para que ela passasse. pegou a mochila púrpura com detalhes em rosa claro e pôs em cima do colo. ele era enorme, mas tão delicado como uma virgem donzela. as unhas lindas ao estilo “francesinha”. olhei para as minhas: preto blecáute ao estilo descascado. pelo menos eu tenho atitude, ora!

.ao olhar para baixo, os óculos deslizaram para a ponta do nariz. ele fez, então, um movimento com as mãos para recolocá-los no lugar: com as pontas dos dedos polegares e médios, ele segurou delicadamente as astes em um charme invejável.um macho alfa com certeza faria o movimento com uma única mão e usando  todos os dedos firmemente.

.como a mulher havia se retirado, ele se sentou no lugar dela. não porque era mais confortável ou tinha menos sol, mas sim para ficar de frente para o painel de vidro. e ele passou o resto do caminho olhando a sua imagem de Narciso refletida. fiquei pensando se motorista pisasse fundo no freio e ele amassasse seu narizinho de Clárque Quente contra a painel. desculpe mamãe, mas há momentos em que não consigo controlar meus pensamentos malvados.

.quando tive de descer do coletivo, dei a última olhada para o jovem mancebo ainda a olhar-se no “espelho”. sai pensando no incômodo que ele me causava. só então percebi que o despeito que eu sentia era pelo simples fato…pela cruel verdade que eu tinha de encarar:  ele era mais mulher que eu.

.(des)virtudes.

Publicado: 19 de maio de 2010 em Uncategorized

.virtude: disposição firme e constante para a prática do bem; opõe-se a vício;  boa qualidade moral; força moral; valor.

.para aqueles que não desejam ser seres inferiores e pecadores como eu, existem, assim como os sete pecados, as sete virtudes, que visam justamente a proteção contra as tentações do pecado:

.generosidade: opõe-se à avareza. é despreendimento, largueza; dar sem receber.

.aiai, pena que eu sempre fui tão egoísta e só quis o meu próprio bem. não que eu queira o mal do outro. longe disso, mas, se o meu bem significar o mal do outro, beibe, vou preferir ficar muitíssimo bem. quando eu dou sempre quero receber. sou cheia de segundas intenções. não, eu não gosto de dividir minhas coisas, muito menos pessoas. não sou generosa, não participarei de ONGs ou farei caridade.

.temperança: opõe-se à gula. é auto-controle, moderação.

.sai dessa. vai dizer isso pra uma borderline! sou descontrolada, gulosa e não faço nada com moderação em minha vida. é tudo ou nada, é ganhar ou perder. não há empate nessa vida, beibe. todos os dias são finais de campeonato: empatou? vai para os pênaltis. eu amo, eu odeio. sou exagerada. sou puro drama, tragédia grega.

.caridade: opõe-se à inveja. é auto-satisafação, compaixão, amizade, simpatia sem causar prejuízos.

.eu não já falei que jamais farei caridade? sou muito invejosa. não que eu vá fazer mal à alguém. mas, contantemente, tenho pensamentos invejosos. nunca estou satisfeita. não sou simpática. eu causo prejuízos.

.paciência: opõe-se à ira. é serenidade, paz.

.ui. jura que essa eu consigo? paciência nem entra no meu vocabulário. quem sabe quando eu tiver uns 60 eu arranje paciência. não. do jeito que eu sou, vou ficar impaciente pra morrer. não sou serena. vivo em uma constante inquietação. mas, penso eu, que inquietação é o que nos move e impulsiona pra vida. coisa sem graça essa história de paz.

.castidade: opõe-se à luxúria. é auto-satisfação, simplicidade, pureza de pensamentos.

.é. castidade pode até ser. mas pureza de pensamentos. não. não dá. meus pensamentos são impuros. melhor não comentar.

.humildade: opõe-se à soberba. é modéstia.

.como diria silas de paula: sou vaidoso sim, e quem não é? gosto de ser a melhor, de ser elogiada. quero palco e gosto muito de ser a atriz principal.

.diligência: opõe-se à preguiça. é presteza, ética, decisão.

.eu até tento ser decidida, ética e ativa, mas às vezes da uma preguiça… ser virtuoso pra quê? nem sei se existe céu. e eu vou jogar minha vida fora pra curtir no céu? ser morto em vida e viver em morte? eu não.

.o que você merece.

Publicado: 18 de maio de 2010 em Uncategorized

.eu quero que você morra. não. que você morra não, que morte seria muito pouco pra você. lhe desejo o inferno na terra. que você sofra. que ela lhe mate na unha. que ela lhe faça perder a dignidade. que ela lhe cegue e lhe faça burro. que ela lhe faça rastejar, que o chão, é o lugar que você merece.

.que você fique entediado e que ela não entenda suas conversas filosóficas. que ela não ria das suas piadas de homem inteligente. que ela lhe vença pelo poder da sedução e que você se entregue ao que um dia achou que não seria possível. que você sofra de amor. que você seja traído.

.que você fique pobre e na sarjeta. que seu diploma não valha nada.  que você tenha um terrível futuro profissional. que você não realize seus sonhos. que não vá à frança sem mim. que você perca tudo e todos. que você faça tudo errado e seja julgado e condenado por isso. lhe desejo a prisão perpétua da vida. que você me veja sorrir com meu batom vermelho, que meu olhar lhe cegue e que a única palavra que você escute seja NÃO.  

.parece então fazer todo o sentido quando nietzsche fala que não amamos ninguém? o que amamos é a sensação que sentimos ao estarmos com a pessoa que acreditamos amar? seres egoístas somos nós, não? o que amamos somos a nós mesmos e tudo que queremos e fazemos é impulsionado e visando o próprio prazer. então, pra mim você não tem mais serventia. que você se vá, então.

.é feio desejar o mal? e daí? eu disse que era boazinha, por acaso?  que eu não tinha pensamentos e desejos cruéis? disse que ia pro céu?  lhe prometi amor eterno? não. isso não faz parte dos meus princípios. nunca fui exemplo de moral e bons costumes. sou egoísta, fria, calculista e vingativa. a última coisa que eu tenho pra te dizer é só: volta pro mar oferenda!

.coração anestesiado.

Publicado: 17 de maio de 2010 em Uncategorized

.em um desses dias depressivos já superados…

.hoje acordei com a nítida impressão de que o dia seria completamente suportável. um dia lindo e perfeito que chegaria a dar nojo de ser vivido. sorri e fiz o café da manhã, o qual degustei devagar e, como de praxe, com os pensamentos perdidos em qualquer lugar.

.já no começo da manhã, senti-me um ET em um planeta desconhecido. na verdade, uma forasteira de lugar nenhum. filha de gente que não conheço, nascida em um sítio que não é o meu. nesse momento, percebo que não tenho laços de pertencimento e que a liberdade é uma escolha pela qual se paga caro. caríssimo.

.mais tarde, com um eu mais filosófico, procuro o porquê de minha existência e, angustia-me ainda mais não descobrir nada que possa justificá-la. não. não irei salvar a humanidade, nem escreverei um livro que me tornará imortal. não descobrirei a cura para nenhuma doença e nem serei uma intelectual mundialmente reconhecida. não, ninguém vai querer me entrevistar.

.instantes depois, tenho lapsos de alegria. uma piada bem contada, uma conversa descontraída. qualquer coisa que provoque um sorriso amarelo, canto de boca. pego um café recém-passado. quem sabe não esquento um pouco esse meu coração desprotegido?

.logo, logo volta o vazio da existência. um buraco que não sei bem onde  se localiza. sou tomada por uma melancolia, uma passividade diante do mundo. podem me dar um tapa. não irei revidar. entrego-me a mediocridade. fixo meu olhar em algo que não existe.

.o começo da tarde chega e, vendo-me sozinha, percebo minha solidão de uma vida toda. dou-me conta de minha frigidez, pois não tenho amor a nada, não tenho amor a ninguém. e quando o fim estiver perto, a quem irei me apegar? quem chorará por mim? alguém irá ao meu enterro?

.na hora da misericórdia, meu coração sorri por qualquer notícia boa. conversas superficiais e libidinosas me fazem soltar gargalhadas de falsa alegria momentânea. finjo ser outra. como outra, se nem sei de fato quem sou, de onde vim e onde vou parar? provavelemnte cairei em alguns buracos no meio do caminho que não faço a mínima ideia de onde vai me levar. quais são os meus princípios? tenho princípios?

.a escuridão chega e penso se realmente me importo com alguma coisa.  e essa lágrima que rola em minha face? de onde vem? o que a motiva? e esse nó na garganta que trava minhas palavras? por que não sei falar? por que meu egoísmo não me deixa escutar? não sei consolar nem a mim mesma. consolar de quê?

.agora que a noite é plena no céu, vejo que meu coração antes sufocado por um peso que não sei de onde vem, agora parece mais calmo. e essa calmaria me faz pensar que amanhã é outro dia e que, talvez, não seja igual a esse que já está no fim. quem sabe aconteça algo inesperado e eu me veja diante de uma situação que me empurre contra a parede. que faça eu me esborrachar no chão e, finalmente despertar para a vida. quem sabe, amanhã eu consiga sentir. quem sabe amanhã meu coração não seja só um órgão dormente, anestesiado pela angustia da existência. fecho então os olhos e durmo como se na minha cabeça, nada houvesse se passado.