Arquivo de setembro, 2009

.sem planos.

Publicado: 30 de setembro de 2009 em Uncategorized

.sem planos talvez seja melhor. sem rótulos. sem expectativas. ou não. sei lá. só sei que por enquanto está tão bom. é bom ter as cartas abertas na mesa. poder contar com sinceridade, mesmo que por vezes doa. só quero estar perto. por enquanto é o que quero. não importa quanto tempo. depois me preocupo com isso. pra que perder tempo me preocupando agora enquanto posso estar curtindo momentos maravilhosos? mandar o medo para la puta que lo parió e ser feliz.

.por que sempre a música certa na hora certa?

. então pronto. sem frescuras agora. já enfrentei desafios demais por hoje. profissionais, sociais, acadêmicos e amorosos, mas acho que no fim, o saldo foi positivo. deus me deu a oportunidade de consertar umas coisas que estavam meio tortas. olha que nem sempre isso é possível. acho que estou feliz, depois de tudo.

“é preciso sofrer depois de ter sofrido, e amar, e mais amar, depois de ter amado”

“o correr da vida embrulha tudo.
a vida é assim: esquenta e esfria,
aperta e daí afrouxa,
sossega e depois desinquieta.
o que ela quer da gente é coragem”

“o mais importante e bonito do mundo é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, mas que elas vão sempre mudando.”

.guimarães rosa.

 

Anúncios

.impaciência.

Publicado: 29 de setembro de 2009 em Uncategorized

.quem disse que um dia eu tive paciência na vida? não estou impaciente. EU SOU IMPACIENTE por natureza. o problema é que essa inquietude tem me perturbado mais frequentemente e com mais intensidade do que de costume. bem sei eu por que, então, sem mais, dei o primeiro passo para aliviar a pobre coitada. porém, posso dizer que o tiro saiu pela culatra e me encontro no maior e deprimente grau de impaciência que um reles mortal pode alcançar. minha nova profissão é assaltante de geladeiras 24 horas. to quase apelando pros famosos comprimidinhos à base de maracujá. eita que a falta de concentração e a hiperatividade costumeiras estão cada vez mais atacadas. mas sempre dizem que na hora de deixar o vício o mais difícil é a fase de desintoxicação (peraí, não to usando drogas ilícitas!). talvez eu esteja nessa fase. depois que passar eu fico nova. volto a ativa, fingindo ser normal(que povo artista, hein?). sigo com a droga, ou arranjo um novo vício, se é que vocês me entendem…(rs)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ps.: a impaciência é tamanha que to sem saco até pra escrever. pode um negócio desses? é. pode sim. isso é típico desta que vos fala. não sei nem pra que eu toco no assunto. ficamos então por aqui.

.i will survive.

Publicado: 28 de setembro de 2009 em Uncategorized

.andava eu com a moral mais baixa que anão de circo. após o fracasso da não-bebedeira anterior, acordei sem muitas perspectivas na vida pessoal. decidida a cuidar dos afazeres que me levassem rumo a um futuro profissional promissor, tomei meu ônibus costumeiro, o circular 2. meu querido e digníssimo circular. eis que quando adentro o coletivo já conhecido de longa data, meus sensíveis ouvidos se deparam com um clássiso da música internacional levantadora da moral de qualquer ser incrédulo. não poderia ser outra. i will survive. e ela cai como uma luva. tá. eu sei que esse é o hino dos meus queridos amigos gays, mas é também a música mais auspiciosa que poderiam ter colocado naquele meu momento de fraqueza humana.

.ao ouvir a melodia, reconheci de imediato e não contive um sorrisinho de canto de boca. também não contive meus lábios que, sem querer (eu juro!), começaram a balbuciar alguns versos. meu pézinho, vestido em meu querido e surrado all star bege (um dia ele já foi branco), também não se deixou reprimir, todo serelepe ele estava. ficou batendo pra lá e pra cá. sem medo de ser feliz.

.é, meu bem, esse é o recado! depois de um tempo fora de mim, estou de volta e…i will survive! (rs – não poderia perder a chance de fazer o trocadilho maldito)

.o não-porre.

Publicado: 28 de setembro de 2009 em Uncategorized

.sempre me disseram que quando não se quer uma coisa ela acontece e quando se quer muito, ela não vem de jeito nenhum. pude comprovar isso ontem. como é que pode a pessoa tomar um não-porre?

.essas coisas só acontecem avec moi mesmo. noite de domingo. nada pra fazer. sozinha em casa. surge então a idéia de girico: tomar meu primeiro porre. ficar bêbada pela primeira vez (sim, eu pareço muito doidinha, mas sou muito careta comigo mesma). decidi experimentar muitas coisas que ainda não tive a oportunidade de fazer e essa foi uma delas.

.eis que me deparo, no bar da sala de visitas, com um legítimo whisky escocês. lá vai. é tu mesmo, meu filho, pensei. ainda seria em grande estilo. tentei primeiro um cowboy (puro), mas o negócio era muito ruim (caro e ruim, mé que pode?). decidi então diluir aquele líquido que tem gosto de petróleo (não me pergunte qual é) nos clássicos cubos de gelo. e tome whisky. nada. como é que eu “estrago” 2 doses cavalares de um legítimo White House de 200 paus não ficando bêbada??? ou a pessoa é um touro, ou é muito mazela mesmo (acho que tá mais pra segunda opção).

.por fim, já que o objetivo era perder a virgindade alcóolica, o desespero fez-me partir para a boa e velha cachaça. peguei uma bela dose de Ypióca 60 anos e misturei (que crime!) com o famoso refri de laranja pra descer melhor. bebi a primeira. nada. a segunda. nada. que p…. é essa? pensei. ai a  agonia bateu, aperreei-me de vez e meti o bocão no gargalo da inocente cachaçinha. naaaaaaaaaada. desisti. definitivamente não era um dia auspicioso para uma bebedeira. o domingo é preguiçoso até pra isso. escovei então os dentes (para burlar o bafômetro materno) e fui dormir ainda virgem, sem meu pilequinho.

.protesto.

Publicado: 27 de setembro de 2009 em Uncategorized

.hoje eu protesto. protesto contra tudo e contra todos. ninguém mais me diga o que fazer ou como proceder. meus dias já foram tão difíceis! já enlouqueci. briguei. chorei. sofri. voltei pra dentro de mim. conversei comigo mesma. louca que sou. não quero mais palpites. pra que fingir ser quem não se é? excusez-moi mes amis, mas hoje dispensarei seus conselhos. hoje falarei por mim. estarei em primeiro lugar na minha própria vida. não quero um escravo. quero sentar numa poltrona ao lado de alguém para assistir ao espetáculo de nossas vidas. se você não estiver afim, me avise. assim poderei deixar o assento livre para quem quiser dividir um saco de pipocas (salgadas, por favor!).

.contra a parede.

Publicado: 24 de setembro de 2009 em Uncategorized

.hoje vou te botar contra a parede. saber o que queres de mim. vamos parar com a brincadeira. hoje quero definir as coisas. pratos limpos. preto no branco. por as cartas na mesa. parar de andar em terreno desconhecido. sinceridade sempre foi meu forte. meu bem, hoje você não me escapa. se não nos virmos hoje, farei-o amanhã. mas esses dias ainda te boto contra a parede. antes que a carne seja fraca, você me jogue um sorriso sedutor e umas poucas palavras que me farão estremecer e calar. a carne é fraca, meu bem. só por hoje vou me vestir de mulher fatal e perguntar de vez: “o que se passa?”. não estou jogando jogos. só quero ter certeza de que tenho você. do contrário te digo au revoir, mon chère. quem sabe a gente não se cruza noutras vidas?”

.desestabilize-me.

Publicado: 22 de setembro de 2009 em Uncategorized

.numa louca obscena. foi no que me transformei. a vida me fez louca. o amor, uma louca boa. sem moral ou bons costumes. sem censuras. isso porque já não há amarras. sou livre. fecho os olhos e não vejo nada. sinto. sinto fome de vida e essa fome só cresce, nunca tem fim. tem um buraco aqui dentro que pede sempre mais. sinto a vida que roça em minhas bochechas. sinto o quente do desassossego. a inquietude tornou-se minha amiga. nossa convivência não-pacífica me conforta no desconforto. hoje já não temo a batucada carnavalesca que me habita desde sempre. ela me desperta para o mundo. desperta-me o desejo que nunca é completo. desejo o imperfeito. gosto do perigo. necessito do cheiro. pelo menos uma dose diária. nem que não passe de delírios olfativos de um querer indecente. tremo com a voz. arrepio-me com os pêlos. extremeço e calo quando diz “sua linda” e desliza as mãos em qualquer mecha de cabelo meu. odeio quando me nega a presença ou quando negligencia meus atos passionais. mas eu nem me chateio quando brinca com minha maturidade precoce. só tenho raiva de não poder roubar pensamentos. amo a dúvida dos sentimentos e, principalmente, viver sob constante ameaça de rapto. seu bobo, pode me levar daqui. o lugar, quanto tempo…não importa! a gente vê depois. só sei que quero hoje. agora. nesse momento só desejo amar. dentre delírios, dor, paixão e romance, beijos na nuca que arrepiam. sem olhares de passado nem de futuro. só cabe um número: nós dois. olhos que fazem amor com os olhos meus. desejo louco de paixão incontida me dá e não passa. menino mimado ele só quer mais e mais. não me ofereça estabilidade. desestabilize-me!

.sonhos obscenos.

Publicado: 21 de setembro de 2009 em Uncategorized

.calma. não tenho tido sonhos eróticos nem fantasias sexuais de outro mundo. meus sonhos que são tão grandes e audaciosos que chegam a ser obscenos. sim. acrediar sempre, eis a diferença. foi a frase que ouvi de um certo senhor louco. como uma maluca que se preze, tomei a máxima para mim e resolvi virar tudo de cabeça pra baixo.

“não somos loucos, apenas vivemos num mundo onde não vale a pena ser normal”

.sim. resolvi perseguir meus sonhos, por mais absurdos que pareçam. por maiores que sejam as críticas, por piores que sejam as pessoas. por mais injúrias que digam. por mais tropeços que venham. é isso que eu quero. quero mesmo ser chamada de louca. maluca. doida varrida. abandonei tudo e farei o que preciso for. não medirei esforços. jamais deixarei que me digam não outra vez. ou que é impossível. nada o é. é difícil sim. mas quem disse que eu gosto das coisas fáceis? elas são chatas. coisas difíceis me dão tesão. tesão de vida. vida que pulsa. frio no estômago de aventura proibida. sensação boa que nos lembra de que estamos intensamente vivos.

.sinatra/jazz é do mal.

Publicado: 20 de setembro de 2009 em Uncategorized

.quando a gente escuta sinatra se imagina em uma cena de filme bebendo uísque, fumando um cigarro e sentado ao lado de um piano de calda. ah. a gente fecha os olhos e sente uma coisa boa. sensação gostosa. jazz é do “mal”. dá vontde de dançar agarrado, cheirando o cangote um do outro e o resto…só deus sabe. hummmmmmmmmm…. por enquanto..só imaginar…cuidado que a loucura vem já já me encontrar…

.a mulher desnuda.

Publicado: 20 de setembro de 2009 em Uncategorized

.ontem ela veio. ela não anda de branco. nem tem pés de pluma. nem é elegante, nem nada. ela veio desnuda. semvergonha. descarada. ontem a loucura veio me visitar e eu estava acordada. Ontem me atraquei com a loucura. parte dela permaneceu em mim. hoje sou louca. inconsequente. se antes era apontada como tal, hoje agirei como uma. passarei por cima de tudo. não medirei palavras. não agirei com razão. não farei o que não tenho vontade (só quando for preciso para obter o que quero. agirei ainda mais por impulso. serei ainda mais exagerada. fingirei. mentirei por boas causas (próprias). serei irônica. serei leviana. jogarei tudo fora à procura dos sonhos. quero meus desejos satisfeitos. não quero estabilidade. quero felicidade, que não caminha jamais com perfeição, com bondade, e muito menos com fazer tudo certo. a partir de hoje, meus caros, vou fazer tudo errado. dando certo ou não, quero minhas vontades feitas. e, se me chamarem de louca, eu vos digo, “muito prazer, sou eu mesma. da parte de quem?”

.hoje eu tive um encontro com a loucura. deixei-a entrar. tomamos café juntas. hoje moramos juntas. eu e a mulher desnuda. companheiras, quem diria.