Arquivo de 14 de agosto de 2010

.ninguém na espera.

Publicado: 14 de agosto de 2010 em Uncategorized

.dia 13 de agosto. sexta-feira 13. quer mais macabro que isso? viajar para mogi das CRUZES nesta mesma data. agosto, mês do desgosto. sai daí uruca! nunca fui supersticiosa. se fui, sempre tive coragem de enfrentar medos. no entanto, confesso que, sentada do lado da janela do boeing da TAM, fiz o sinal da santa cruz e rezei para garantir boas vibrações para a viagem.

.20h55min. hora de voltar. no aeroporto, lembrei de filmes americanos. a solidão é assim, faz você pensar besteiras. pensei que quando voltasse, ninguém estaria me esperando ansioso no desembarque. não haveria rosas, abraços, beijos, muito menos lágrimas. ninguém teria sentido saudade. ninguém sofrera com a minha falta. tudo bem, não foram nem 24hs, mas deixem-me fazer o meu drama. deixem-me exagerar.

.finalmente o avião decola. as luzes parecem toalhas de rendas brilhantes. penso no que não deveria pensar. porque algumas pessoas acham que merecem nossos pensamentos mesmo em lugares distantes e em momentos cheios de despropósito? quando tenta não se pensar, mais se pensa, então jogo a toalha.

.não só penso, como sonho, e, de repente, vejo-me na mesa de uma sala de estar que não é a minha. sobre ela, um café apesar de doce, levemente amargo e ácido, como é o gosto da vida. o líquido derramado escorre vagarosamente até manchar a toalha branca, deixando-a marcada com tons amarronzados e amarelecidos. toquei o café com a ponta dos dedos e ele era quente. lembrei do conforto da cafeína nas veias de um moribundo de frio. logo escuto galos cantando e desperto com o comandante a dar-nos boas-vindas de volta à Fortaleza.

Anúncios